#4 Todas as coisas que você ama

 

Dia desses me deparei com uma declaração de um autor desconhecido, em um página que eu gosto bastante, que é a seguinte:

 “Se te pedirem para listar todas as coisas que você ama, quanto tempo levará até você se citar?”

Fiquei pensando nessa frase por um bom tempo e em como ela faz um sentido tão grande e um vazio também. Não sei você, mas acho que eu nunca me citaria em uma lista de coisas que eu amo. Sempre colocaria família, cachorros, amigos, comida, séries, filmes, etc, mas nunca euzinha.

Não sei se isso é uma cultura que a gente carrega, de que quem se acha muito acaba sendo metido. A questão nem é ser metido, mas é se amar mesmo. E, se amar, não é só questão de ego, é questão de bem estar, confiabilidade, segurança, estabilidade emocional.

Tenho lido muito sobre o assunto e, consegui perceber que eu não preciso dos outros para ser a pessoa que eu quero ser. Não é preciso da aprovação de ninguém para ser alguém bom pro mundo e, principalmente, para você mesmo. Muitas vezes, a gente se doa, se cobra e sente demais pelos outros, e nunca pensamos em nós mesmos. Onde é que foi parar o amor próprio? Por que ele não é mais importante que o amor que sinto pelos outros? Eu sou a pessoa que vai conviver comigo diariamente pelos próximos anos e, se eu não me amar, quem é que vai?

Nesses tempos de amores líquidos, a gente não pode se desfazer em água de nós mesmos. O que fica é sempre a essência de quem somos, e nunca devemos deixar isso de lado. O amor próprio nem sempre está ligado à auto estima (falo por mim, sem estudos, apenas em sentimentos). Para mim, o amor próprio é aquilo de mais genuíno que temos que fazer pela gente. Nos respeitar. Respeitar nossos momentos de solidão, ou tristeza. Respeitar as vontades. As alegrias e euforias. Deixar fluir a pessoa que você, realmente, é e sem amarras com medo de pensar no que os outros estão vendo.

Talvez eu ainda não me cite logo de cara quando fizer uma lista assim. Talvez seja algum 3 ou 4 item até eu lembrar que eu existo. E você? Quanto tempo levaria até você se citar?

13509110_258889941155425_2265025301266366138_nImagem: autor desconhecido – avise se souber!

banner-BEDA

Anúncios
19 comentários
  1. “Nesses tempos de amores líquidos, a gente não pode se desfazer em água de nós mesmos”
    <3 <3 <3

  2. Mareska disse:

    Eu também nunca pensaria em me colocar numa lista dessas (não exatamente por falta de amor, mas acho que por nunca considerar a possibilidade de ser parte da lista), mas lembrei agora de uma pergunta que me fizeram uma vez e que agora não vou lembrar todos os detalhes, mas era tipo “o mundo vai acabar e você pode salvar 4 pessoas”, aí tem uma lista de uns tipos de pessoas e a pergunta é quais as 4 que você salvaria. A primeira coisa que eu perguntei foi “4 pessoas contando comigo ou fora eu?”.

    • Natália disse:

      Hahaha, olha, acho que mesmo se eu respondesse essa pergunta eu pensaria em mim? Mas isso é questão de lógica, né. Eu que sou meio tonta mesmo! :P

  3. thais disse:

    auto amor, auto compaixão… auto certezas <3

  4. Hoje eu li uma frase que diz “self care is not selfish” e isso diz muito! A gente tem que lembrar todos os dias (porque, infelizmente, fomos ensinados e internalizamos que não podemos nos amar) que somos o suficiente sim e que não tem problema NENHUM gostar de si do jeito que é. Provavelmente também demoraria um pouco para me listar, mas quando a gente descobre que é importante e isso não é egoísmo, as coisas começam a melhorar.
    Adorei a reflexão, um beijo!

    • Natália disse:

      Amei essa frase, Debora!!

      Se nos amarmos é sermos egoístas, que assim sejamos, então! :)

      Beijos

  5. Vinícius disse:

    Eu acho que nunca me citaria. HAhAhA… Eu me acho bastante desimportante. Muito bom o post. ” amores líquidos” Zygmunt Bauman fellings. ahaha

    • Natália disse:

      Então acho melhor você começar a mudar isso, hahaha! :)

      • Vinícius disse:

        Verdade!

  6. Adônis disse:

    Nossa, eu jamais me citaria! hahaha
    Esse post é mais um que eu gostaria de imprimir, emoldurar, colocar na parede e reler todos os dias — ao acordar –, para ver se eu conseguiria colocar isso em prática, porque, olha… preciso.

  7. Vy disse:

    Nossa, eu também não me citaria não! Mas se parar pra pensar, a gente sempre diz pros outros se amarem antes de tudo e a gente mesmo não faz isso…

    • Natália disse:

      Sim!!!
      Então, agora é melhor a gente começar a pensar nisso! :)

  8. Nicas disse:

    Percebo o quanto eu não me gosto toda vez que eu olho foto minha, eu acho tanto defeito (e são defeitos que eu não gosto em pessoas no geral, não é aquela coisa de ~o cabelo podia estar melhor~), tá sendo um desafio grande demais pensar nisso. Mas um passinho de cada vez e a gente chega lá.

    • Natália disse:

      Te juro por tudo que eu não entendo como você pode NÃO se gostar. Miga, miga, miga.

    • Natália disse:

      É sempre bom começar e nunca parar, ein?! :)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: