Aquele que eu conto sobre as aulas

Ontem levei cerca de 1h e 30 minutos para chegar até a Panamericana. Segunda-feira levei cerca de 40 minutos. Ontem eu quase que não paguei o ônibus que sobe a Angélica porque o cobrador não tinha troco para os meus R$ 4,00, mas entraram algumas pessoas depois e ele conseguiu o R$ 1,00 de troco. Sei lá, ainda bem, não gosto dessas coisas de “não-pagar”. Se bem que né…

Daí que o ônibus passa sempre em frente pela Praça Buenos Aires e o horário que é entre umas 19:30 ~ 20h já está escuro e eu acho aquela região um pouco mal iluminada, mas sempre tem algumas pessoas que estão por lá com seus shorts de corrida, correndo pelo quarteirão da Praça, porque né, aquela hora ela já está fechada.

Desço no próximo ponto. Eu demoro mais esperando o ônibus perto do metrô Marechal Deodoro do que o trajeto para chegar até a escola. Queria poder ir a pé, mas não acho muito seguro passear por aquela região à noite.

Nossa sala fica no sub3. O professor chama de calabouço, o que de fato parece ser. Me lembra um pouco a Cásper, porque o sub3 é bem pequeno, estreito, com 2 estúdios e não há janelas. Só há janelas na sala, mas vivem fechadas com cortinas. Outro dia tivemos aula numa das salas do 2º andar. É bem diferente, é mais legal. O legal de lá também são as escadas por fora e a lanchonete que fica no 4º andar. Lá é aberto, bem aberto,  e muito gostoso de ficar durante a noite. Tem uns prédios residenciais ao redor, e é interessante dar uma de “Janela Indiscreta” por alguns minutos. Outro dia, eu e minha irmã ficamos observando um cara brincando com o seu cachorro dentro do apartamento dele.  O cachorro pulava e corria até a cozinha e voltava pra sala. Um cachorro branco, porte médio, rabudo! HAHA…bem lindo.

Ontem começamos aprender sobre iluminação. Já tivemos 4 aulas e ainda não peguei na câmera. Iluminação é uma coisa bem bacana, mas ainda me sinto muito travada, talvez porque eu não conheça muito (ainda), mas está sendo bem legal. Já temos um exercício para fazer: usar uma única fonte de luz para fazer uma foto de um cabeção de gesso. Entretanto, com a iluminação e enquadramento nós temos que passar a sensação de ou cheio, vazio, leveza, peso e equilíbrio. Tô aqui, pensando com meus botões como fazer, usando somente uma única fonte de luz (tocha) e os apetrechos como rebatedor, espelho, etc…

Tô gostando,  viu.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: