arquivo

Arquivo mensal: dezembro 2010

Eu pensava que meus grandes planos eu tinha guardado para este ano que passou. Ah, engano. Bem, quer dizer, de fato foi um ano cheio de mudanças e reviravoltas. Coisas boas e ruins. Eu penei, confesso. Muitos acharam que eu era fraca, posso até ter sido também, mas eu sabia que depois de qualquer fraqueza, uma força descomunal viria. E veio. É sempre assim.

Poxa, o que dizer de 2010?

Melhores e piores? Se eu disser só o melhor, estraga? Espero que não.

Renovei. Senti-me como outra pessoa, diferente, nova, mais livre e aberta. Tenho cá minhas opiniões, valores e critérios, porque não consigo viver em um mundo desregrado. Percebi que não tenho uma religião. Frequentei o Centro Espírita de Allan Kardec, aqui na Penha, e me trouxe uma paz gigante. Aprendi muito, claro, mas eu percebi que não é de uma religião fixa que eu preciso. Acredito num Deus sem características físicas, mas de pura energia. É ele que rege meu mundo, meu estado. Aprendi a gostar de mim, a dar valor para as coisas que faço, que digo, que respeito. Um amadurecimento que só eu entendo.

Meti as caras na estrada. Comprei meu primeiro carrinho, suei, suei, suei. Aventurei-me no centro de São Paulo, na Vl. Olímpia, em Arujá, Paulista e nos cantos dessa cidade. Meu Deus, quem diria? Minha mãe não acreditava que eu conseguiria, aliás, muita gente não acreditava nisso. Até estaciono de ré, viu? Durmam com essa! :D

E as saídas? Foram tantas, considerando os tempos atrás. O meu muito obrigada a vocês que me proporcionaram isso, que me chamaram, insistiram, e gostaram da minha companhia! Faço uma ressalva para duas saídas que maracaram muito, não que as outras não tenham sido boas, mas quero dizer que a Matrix fail e a Sarajevo depois com os bordas foi surpreendente! Muitas risadas, muitas pérolas, muitas internas! Jesus Manero, agradece. E a outra foi o evento do Halls XS que o Jreige me levou. Foi diferente, muito divertido e de quebra um show pro Top 5! Não é mole não! Pô, sem contar o SWU, né mermão? Indescritível.

Não teve tantos filmes, não teve tantos livros porque não havia concentração suficiente para poder apreciar tais coisas. Shame on me!

Mas teve tanta gente que entrou pra minha vida, tanta gente que mudou alguma coisa em mim. Poxa vida. MAS POXA VIDA mesmo. À vocês que me aguentaram com meus mimimis, principalmente a Lari e a , muitíssimo obrigada. Porque uma hora a gente tem que agradecer.

AH! E teve o melhor momento da minha vida. Aquele que eu descobri que seria titia pela primeira vez e percebi que eu amo essa criança desde os meus 10 anos! Mas, como na vida tudo tem sua hora, não era hora de o primogênito da família Rebecca Coucolis vir ao mundo. Mas desde já, amo qualquer pedacinho, qualquer ameaça de um(a) sobrinho(a) vir pra mim!

Esse ano eu: fiz minha primeira tatuagem, comprei meu carro, fotografei meu “primeiro casamento”, fotografei, fotografei, fotografei. Conheci o sr. Presidnte. Chorei, chorei muito, mas ri de doer a barriga também. Bebi cerveja, muita cerveja. Tequilas e cosmopolitans. Revi amigos, renovei amizades, fiz mais amigos, quase fiquei loira, quase fiquei louca, mas tô aqui, inteirona e prontíssima para 2011, que demorou pra chegar, mas está aí batendo na porta já!

E assim termina 2010. Com um sorriso no rosto, o coração e a cabeça tranquilos, mas acredito que ainda em seu finzinho, role alguma novidade por aí. Veremos. :)

Vem cá 2011 que eu vou te fazer o melhor ano da minha vida, seu lindo!

Beijos, e ótima virada de ano para vocês, stalkers queridos! :*

Anúncios

E estou chorando desenfreadamente desde às 10h da manhã. Não há motivos concretos, nem nomes aos burros. Apenas choro por uma dor que vem não sei de onde e não vai embora nunca. Não há milagre de Natal que mande isso embora e traga a felicidade que desde sempre eu pedi. Eu sei, é muita tempestade em copo d’água, pois há situações mil vezes piores que a minha. Mas não sei, me perdi, me encontrei e me perdi de novo. Falta algo aqui dentro, continua esse vazio. Me ocupo, me viro, danço, mas nada resolve, nem com muita pinga, nem muita risada. Tudo porque sou uma conservadorazinha de merda.

Feliz Natal!

Lembram da cena da taverna que eles brincavam de adivinhar quais personagens cada um era através de perguntas específicas?

Como bom nerds que somos, cof cof, brincamos disso até dar 5 horas da manhã e como não podia deixar de faltar na praia também, por que não?

Eu fui Maluf, Penélope Cruz, Jô Soares, Christian Pior e acho que mais Jorge Vercilo. Estes dois últimos eu não adivinhei nem com reza braba! Mas teve personagens como PC Siqueira, Eliza Samudio, Rita Cadillac, Kurt Cobain (é novo, mas a banda é velha? Pode isso, Arnaldo?), Richarlyson, Zé do Caixão, Felipe Dylon, JackEY Chan, CALTON (who?) Banks e não podia deixar de faltar o “Renan Perdido”! Hahahaha

Brincadeira sensacional! :D

 

Hoje eu rebloguei uma foto que achei linda e a perguntou de onde que era. Não sei, apenas rebloguei. Mas ela me disse que a menina se parecia comigo. Me senti lisonjeada, porque achei a menina tão francesinha, tão europeia, tão bonita. E olha que a Má me conhece pessoalmente (e há uns bons 18 anos, praticamente desde quando ela nasceu haha). E aí eu pensei, se ela me vê em fotos que não sou eu, imagina você. Porque eu te vejo em várias fotos da internet, cada detalhe que me faz lembrar você, do seu cabelo, sua pele, suas mãos, até seu cheiro. São coisas da minha cabeça, eu sei, porque eu posso ficar sem te ver durante toda a semana aí…mas a internet te traz pra mim, querendo ou não.

E eu amo a internet.

Digamos que aconteceu umas 3 vezes isso comigo:

  1. Arcade Fire (Tim Festival 2005)
  2. Kings of Leon (Tim Festival 2005)
  3. Queens of the Stone Age (SWU 2010)

Não preciso dizer muita coisa sobre essas bandas, afinal, todos conhecem e muitos já tiveram a oportunidade de ver os shows. Apaixonei-me por eles após ter visto o show, o que é um saco, porque né, não temos aquela expectativa de fã, nem a energia pra pular e cantar as músicas, enfim. Mas acho a melhor maneira para conhecer as bandas que não pela internet somente.

Sábado passado tive a oportunidade de ir no evento Halls XS Xtra que aconteceu na Chácara do Jockey (temida chácara!) para assistir ao show do The Temper Trap. Fui sem saber do que se tratava, na verdade. Recebi o convite de um amigo, e por que não? Vamocágalere!

Que show, meu amigo, que show! Depois de umas duas cervejinhas aí, me soltei e estava lá no meio da galera pulando junto a cada batida no “tambor” que Dougy Mandagi mandava. The Temper Trap é uma banda de rock alternativo australiana, formada em 2005, e que eu percebi ter uma influência de Radiohead em suas canções e composições, heh, precisa dizer mais? Amor puro! A voz aguda e um pouco metálica do vocal, Dougy Mandagi, dá todo um charme para a banda que cativa na primeira música. O show foi fantástico, com uma presença incrível de todos os membros da banda e uma energia que nem os mais chatos dos chatos conseguiria ficar parado. Definitivamente entrará para a listinha top 5 de shows. Sem contar que, CLARO, tô com crush no baterista Toby Dundas. :)

Ah. eles estão na soundtrack de 500 days with summer também. Procurae, que cê acha! ;)

Ouçam aí uma das músicas que eu mais gostei, seus lindos! :*

*dançandinho*

Em uma bela tarde de sol, de muito trabalho e pouca diversão, recebo um tweet da @varetinha com um link para um flickr. Abri, mas não pude navegar direito, entretanto foi paixão a primeira visita. Sacomé.

Melina Souza tira fotos do cotidiano, mas o ângulo, a composição e a edição das fotos deixa tudo tão cor-de-rosa, tudo muito lindo e fofo. O flickr dela é um dos mais  inspiradores que eu já vi. Foi por causa dos vídeos em stop motion que ela faz, que eu comecei a tentar também (essa ideia é antiga, mas só depois de ver os vídeos dela eu comecei a colocar em prática). A maioria de suas fotos é feita no próprio quarto, mas com tamanha criatividade e fofura nem precisa de tanta coisa assim.